Close

Educação 4.0: entrevista com o Professor Cassiano Zeferino de Carvalho Neto (autor)

Educação 4.0

Entrevista concedida pelo Prof. Dr. Cassiano Zeferino de Carvalho Neto à Revista Escola Particular* 

* Publicação mensal do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo, Janeiro/2018, edição 238, página 36 a 38.

O entrevistado nesta edição da Revista Escola Particular é o Professor Dr. Cassiano Zeferino de Carvalho Neto, presidente do Instituto Galileo Galilei para a Educação, pesquisador-convidado do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), onde atua como gestor de projetos do Laboratório de Pesquisa em Educação Científica e Tecnológica e presidente do Conselho de Administração da ECOEducacional.

Cassiano está lançando seu novo livro ‘Educação 4.0: princípios e práticas de inovação em gestão e docência’, pela editora Laborciencia, fato que suscitou esta entrevista na qual arguimos o autor a respeito do que, afinal, trata a Educação 4.0.

Acompanhe a entrevista.

 

Revista Escola Particular

Como falar em uma Educação 4.0 se alguns educadores acreditam que nem mesmo chegaram a praticar a Educação 3.0?

Prof. Cassiano

É preciso definir inicialmente, dentre as nomenclaturas existentes, por que ‘Educação 4.0’ tem este título.  A Educação 4.0 (CARVALHO NETO, 2017) consiste em uma abordagem teórico-prática avançada para a gestão e docência na educação formal que vem demonstrando, por evidência de pesquisas de base científica e tecnológica, seu potencial transformador e inovador para as instituições de ensino.

A Educação 4.0, é identificada pela letra E (maiúscula) elevada à quarta potência (E4), porque está estruturada sobre quatro referenciais teórico-tecnológicos, considerados pilares dinamicamente interligados, definidos como estruturadores, tendo ao centro o chamado Modelo Sistêmico de Educação (MSE) e como radiais a Educação Científica e Tecnológica (ECT), a Engenharia e Gestão do Conhecimento (EGC) e a Ciberarquitetura (CBQ). Das dinâmicas geradas entre esses referenciais surge a Educação 4.0 como modelo para a inovação continuada, em uma era em que a aprendizagem é personalizada. Trata-se de lidar com o presente, pois o futuro já chegou. Quem tirar a venda dos olhos verá.

 

Revista Escola Particular

Mas as escolas, mesmo aquelas mais diferenciadas, apresentam defasagens em termos de acompanhar a evolução dos modelos educacionais, que dirá das instituições que ainda hoje padecem da falta do essencial. Não parece um modelo exótico, para um cenário tão pouco favorável às mudanças?

 

Prof. Cassiano

Há exatos 20 anos atrás escrevi um artigo a pedido da Secretaria de Estado de Minas Gerais no qual a temática central era: ‘De onde virá a revolução educacional’? Naquela oportunidade afirmei que as transformações profundas não viriam dos intelectuais e suas teorias inéditas, mas dos pés calçando tênis que adentravam, já àquela época, as salas de aula das escolas da educação básica e superior. E o que vemos hoje? A mudança de paradigma já ocorreu, as gerações de estudantes, praticamente todos nativos digitais, aprendem e pensam de forma desconcertantemente diferente daquela que pensamos, pois, suas estruturas psíquicas superiores são formadas no seio da cultura, uma cultura digital que opera em rede e online. A presencialidade deixou de ser o padrão e o que se tem na atualidade são os espaços-tempo ciberarquitetônicos, isto é, as informações transitam não somente nos ambientes físicos (arquitetônicos) mas provêm e seguem para o ciberespaço na acepção de Pierre Levy. Para acompanhar a galera (e olha lá!), professores e gestores são chacoalhados e desafiados todos os dias e isso é o efeito direto da revolução já em andamento. O problema é não ter uma visão teórica capaz de dar conta, de forma sistêmica, desses desafios e o que se faz é ficar oscilando em uma corda-bamba, de um lado para o outro, sem se saber ao certo para onde ir. A Educação 4.0 é precisamente um referencial teórico-tecnológico seguro que pode responder ao cenário presente, pois seus fundamentos partem de um paradigma que não é um mero remendo em tecido velho. Portanto, nada tem a ver com a escola ter mais ou menos recursos materiais, pois o que se precisa neste momento é de patrimônio humano, pessoas, conhecimento e ação.

 

Revista Escola Particular

Pode dar um exemplo efetivo de aplicação da Educação 4.0 em escolas e outras iniciativas?

 

Prof. Cassiano

O ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) é uma instituição respeitada e reconhecida nacional e internacionalmente, como uma escola de formação de engenheiros. O ITA foi pano de fundo e vanguarda na gênese da EMBRAER e de muitos outros projetos e processos pouco divulgados, como por exemplo o estabelecimento do padrão PAL-M para transmissão de sinal a cores de TV no Brasil, no final da década de 1960. O fato de ser uma escola de grande valor para a economia do país e contar com alunos que chegam lá a partir de um vestibular muito concorrido, exige que os processos de inovação sejam constantes, para que ela possa se manter na liderança. Atualmente executo um projeto de inovação para a educação em engenharia (chamado Inova ITA), que tem por pressuposto justamente manter uma qualificação profissional continuada de alto nível, para os professores da escola, de modo que possam também manter diferenciais em seus projetos educacionais e na formação dos estudantes. Nesta iniciativa os fundamentos teórico-tecnológicos são encontrados nos princípios e práticas da Educação 4.0, dentro do projeto aprovado pela CAPES e pelo ITA. Mas há outras iniciativas. Neste ano (2017) uma iniciativa do SIEEESP colocou em execução, pelo Instituto Galileo Galilei para a Educação, o curso ‘Gestão e Docência com Inovação em Educação’. Neste programa de educação continuada o plano de fundo e os projetos são todos levados adiante pelos pressupostos da Educação 4.0. As avaliações e troca de experiências durante o curso demonstram a apropriação que é feita pelos gestores e docentes e como isso já está impactando em suas ações profissionais e nas suas escolas de origem. Há outros exemplos em universidades particulares, secretarias municipais de educação e escolas particulares e públicas da educação básica. Para um modelo emergente o que realmente tem valor são os resultados mensuráveis que podem ser obtidos a partir do conhecimento e da aplicação que se faz no piso de sala de aula e nas escolas.

 

Revista Escola Particular

O surgimento do modelo da Educação 4.0 é recente? Qual foi a sua gênese?

Prof. Cassiano

O livro em fase de lançamento sim, é um fato novo, mas a construção do modelo de Educação 4.0 considero que seja um processo de culminância de estudos, aplicações e pesquisas nos quais venho trabalhando e que, em 2018, completará 40 anos de existência. De fato, não se trata de desenvolvimento temático que se baseie em uma única ciência, mas sim de uma visão integrativa de sub-ramos do conhecimento que passa pela Educação Científica e Tecnológica, Teoria de Sistemas, Engenharia e Gestão do Conhecimento, e a Pedagogia. Para o leitor que queira conhecer os documentos acadêmicos de fundo poderei citar o acesso, ao final da entrevista.

 

Revista Escola Particular

Como as escolas da educação básica e superior, gestores, especialistas e educadores podem conhecer os princípios da Educação 4.0?

Prof. Cassiano

Em 2018 o SIEEESP, em parceria com o Instituto Galileo Galilei para a Educação, realizará ao menos um curso em cada semestre, abordando os princípios e práticas da educação 4.0. Na plataforma digital www.4educa.com.br existe um curso que pode ser realizado, gratuitamente, apresentando os principais pontos da Educação 4.0, basta se matricular e seguir o percurso apresentado. Quanto ao livro o mesmo estará à disposição dos leitores a partir de janeiro de 2018, onde já se organizam palestras e eventos com minha participação.

 

Entenda a Educação 4.0

 Visão sistêmica do modelo teórico-tecnológico que fundamenta a Educação 4.0, contemplando seus pilares estruturadores: MSE (Modelo Sistêmico de Educação), ECT (Educação Científica e Tecnológica), EGC (Engenharia e Gestão do Conhecimento) e CBQ (Ciberarquitetura).

 

A interconexão entre os pilares apresentados estrutura a Educação 4.0 a coloca como instrumento para autoria de modelos inovadores para gestão e docência em instituições da educação básica e superior.

 

 

 

Referências

CARVALHO NETO, C. Z. Educação 4.0: princípios e práticas de inovação em gestão e docência. São Paulo: Laborciencia editora, 2018.

Disponível em: http://www.sieeesp.org.br/uploads/sieeesp/imagens/revista/revista_238.pdf. Acesso em 17/01/2018